terça-feira, 27 de dezembro de 2011

                                                                                   Paraquedista



BLOCO PARAQUEDISTA REAL LANÇA  CD

Pintou o primeiro disco de frevo para o carnaval 2012, CD  Quem me chamou paraquedista, do bloco Paraquedista Real,fundado em 1999,no bairro  Poço da Panela,Zona Norte do Recife. O primeiro CD do bloco tem dupla produção assinada pelos compositores Humberto Vieira e Claúdio Almeida. Com um bom repertório de frevo,onde desfile outros estilos como:frevoCanção,frevo de  rua e frevo de bloco, o disco se sobressai no escrete de interpretes e na execução das canções. O coral do bloco que contou com o auxilio luxuoso de  Cristina  Amaral,Jayminho Santos,Geraldo Maia,Walmir Chagas,Fernando Azevedo e Bruno Simpson.OCD Quem me chamou  Paraquedista reúne 23 frevos, a maioria de Humberto Vieira e Claúdio Almeida.Porém o CD é bem diversificado,enfatizando a marcha de bloco. Com  uma orquestra modesta ,em número de integrantes o bloco de Casa Forte,mantém a tradição de abrir com o hino,e voltar com a marcha regresso(Regresso do Paraquedista)músic de Zoca Madureira. O disco procura ser o mais contemporâneo  possivel. Misturando o sacro  com o profano,na abertura tem a serafina da igreja do Poço da Panela com a flauta de Frederico Bourgeos. Há um sopro de  inovação nas marchas de bloco,não na estrutura ,mas na temática. Este estilo de frevo tende pelo saudosismo. Os integrantes do bloco cantam as marchas sob outra ótica,num repertório renovado,contra-ponto aos tradicionais blocos liricos .No CD no lugar  de saudade e despedida,predominam o encontro,a alegria,o amor,conforme seus  produtores.Outro  ponto elogiavel é  que os frevos de bloco do paraquedista Real são realmente frevos,e não marchas-rancho como foi generalisado pelos blocos liricos.Marcos Cesár,Bozó,Betodo Bandolim ,Maestro Dudae Spok,são alguns dos músicos que tocam no disco. O CD está  nas boas lojas do ramo pela bagatela de 15,00 R$, Evoé.

segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

                                                     Dona Dina                                                       



DONA DINA,UMA " MULHER DE GADO "




Ela é considerada a rainha dos vaqueiros do Sertão Central do Estado do Ceará.Nasceu em Canindé ,no dia 21/08/1954,batizada com a graça de Dina Maria Martins Lima. Conhecida como Dona Dina,ela é vaqueira e aboiadora desde os 14 anos de idade.Virou inspiração de folhetos de Cordéis , filmes,matérias jornalisticas e livros.  Aos 57 anos de idade  continua impávida no oficio que abraçou tão cedo, na lida com o gado.Dona Dina  continua se destacando nas vaquejadas e festas de apartação,derrubando rezes e cantando aboios. Ela fundou a Associação dos Vaqueiros e Aboiadores do Sertão Central ,com sede em sua cidade, Canindé,e a preside desde a sua fundação,já em seu oitavo mandato. Essa sertaneja,tornou-se a maior incentivadora dos costumes e tradições do vaqueiro no estado do Ceará,seja através da associação ou de sua luta individual. Dona Dina segue a vida  aboiando as agruras e alegria do seu povo,nas festas de gado nordeste a fora.
                     Lampião,Juazeiro do Norte-CE,1926-foto de Benjamim Abraão                






DESAFIO DO GOVERNADOR DO SERTÃO 


               Ao Governador de Pernambuco








                       Suas  Saudações com os seus






      
 Faço-lhe esta devido a  uma proposta que desejo fazer ao senhor para evitar guerra no sertão e acabar de vez com as brigas.(...) Se o senhor estiver de acordo,devemos dividir nossos territórios. Eu que sou Capitão Virgulino Ferreira Lampião,Governador do Sertão,fico governando esta zona de cá por inteiro,até as pontas dos trilhos em Rio Branco(Arco Verde). E o Senhor, do seu lado,governa de Rio Branco até a pancada do mar no Recife. Isso mesmo. fica cada um no que é seu. Pois então é o que convém. Assim ficamos os dois em paz,nem o senhor manda os seus macacos me emboscar,nem eu com os meninos atravessamos a extrema,cada um governa  o que é seu sem haver questão. Faço esta por amor à paz que eu tenho e para que não se diga que sou bandido,que não mereço. Aguardo sua resposta e confio sempre.


                Capitão Virgulino Ferreira Lampião,Governador do Sertão 



Carta de Lampião  ao Governador de Pernambuco,Júlio de Melo, então presidente da Assembléia legislativa  do  estado que  ocupou o cargo interinamente no periodo de  18  de outubro  de 1926 a 12  de Dezembro de 1926,sucedido por o Governador eleito Estácio de Albuquerque  Coimbra. Que foi deposto pela "Revolução de 1930".                       


    
                          



    

domingo, 25 de dezembro de 2011

  



                                         
bLoG soL  vERmeLHo                                                                          

sábado, 24 de dezembro de 2011

59013587454a8adae5baa1ea567bc075.jpg


FESTIVAL DE  CAVALO MARINHO 

O Cavalo Marinho é um dos Folguedos  mais expressivo do Ciclo Natalino de Pernambuco e essa manifestação é mote para o 17º  Festival  de  Cavalo Marinho que movimenta a Casa da Rabeca,na rua Curupira,340,Cidade Tabajara,em Olinda. O Cavalo Marinho é um folguedo múltiplo: envolve teatro, artes plásticas , música,cores vibrantes e movimentos harmoniosos,mas frenéticos.  É o simbolo da cultura pernambucana.Grupos da Paraíba e Pernambuco apresentam os passos do folguedo neste domingo(25) a partir das 18h,com entrada gratuita. Por lá, passarão Cavalos Marinhos Boi de Ouro(Pedra de Fogo-PE),Boi Pintado(Aliança-PE),Estrela Brilhante(Condado-PE),Estrela do Amanhã(Condado-PE),Estrela de Ouro(Condado-PE) e Boi Pintado(Aliança-PE) farão um show de dança,poesia e teatro,ao som da rabeca,pandeiro,reco e ganzá. Fundado em 2006 com crianças carentes de Condado, o Cavalo Marinho Estrela do Amanhã é um dos grupos mais novos de Pernambuco. Outro grupo com menos de uma década é o Estrela Brilhante.Foi fundado em 2004 pelo Mestre Antonio Teles que começou na brincadeira aos12 anos,como o Mateus do casal folclórico Mateus e Catirina.O mais antigo da festa é o Estrela de Ouro,fundado em 1979 pelo mestre Biu Alexandre. O Boi Pintado é de 1993 e já se apresentou até na Europa. O paraibano Boi de Ouro tem 23 anos de fundação.

                                             dançando o fandango




                          FANDANGO




Nas regiões Nordeste e Norte do Brasil o fandango  é um espetáculo que engloba romance,dança,música,anedotas.ditos,orações e lendas. É uma festa em homenagem aos marujos,que acontece na época natalina. É também conhecido como marujada,barca,chegança dos marujos. O fandango é um auto popular,já tradicional no século XIX e constitui-se numa convergência de cantigas brasileiras e xácaras portuguesa(narrativas populares em versos), distinguindo-se a Nau Catarineta.O espetáculo desenvolve-se em um tablado,armado em frente a igreja ou em qualquer outro local ao ar livre,previamente escolhido. O elenco é composto por mar-e-guerra,imediato,piloto,médico,mestre,contra-mestre,duas alas de marujos e dois palhaços,o vassoura e o ração. Os personagens vestindo fardas de oficiais da Marinha e marinheiros,cantam e dançam ao som de uma orquestra de cordas(viola,violino e violão)podendo também aparecer o cavaquinho e o banjo.Há um cortejo de abertura que canta e recita episódios da vida no mar. O enredo é basicamente o seguinte:uma nau por causa de uma tempestade,vagou pelo oceano durante sete anos e um dia,com a fome atacando a todos.Escolhe-se um dos tripulantes para matar a fome dos demais,mais antes que ele seja morto,Nosso Senhor Jesus Cristo faz o milagre de salvá-los fazendo-os chegar à Espanha,enquanto o diabo faz tudo para impedi-lo. Pode-se assistir um Fandango na época do Natal,em pernambuco,nas cidades de Nazaré da Mata,Recife,Carpina e Itamaracá,em Cabedelo,na paraíba               e em Maceió,no estado de Alagoas.Na região sul do Brasil(Paraná,Santa Catarina,Rio Grande do Sul) o fandango é um baile, uma festa,onde se executa um conjunto de danças rurais,com variada coreografias,que receberam influência hispânica.  Em São Paulo é parecido com o cateretê,dança rural do sul do Brasil. É dividido em dois grupos distintos: o rufado ou batido,exclusivo dos homens,marcados por sapateado forte e barulhento e o bailado ou valsado,em que os casais arrastam os pés no chão. No Paraná é uma festa tipica dos caboclos e pescadores do litoral do estado,onde se dançam várias  marcas de Fandango. Já  foram registradas mais de cem marcas diferentes,entre os quais,O Anu,Xarazinho,Xará Grande,Queromano,Chamarrita,Andorinha,Caranguejo,Coqueiro e Pega-fogo.

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

                    

                                                           

      TEMPO DE NATAL


     Estava Maria na beira do rio
       Lavando os paninhos de seu bento fio
       Maria lavava José estendia
       Chorava o menino do frio que sentia

 O Natal é a primeira festa do solsticio de verão, o primeiro dos grandes ciclos tradicionais.
 "A farra vai larga e a vida fica cheia de licenças" escreveu Mário de Andrade em seu ensaio sobre                 pastoril. Principalmente  se o ano é bom no inverno,recrescem os cocos,s sambas ,o zambê. Esse é  também é o verdadeiro tempo  dos brinquedos,das danças dramáticas iniciadas com a representação com o pastoril da noite de festa e terminadas com os caboclinhos do carnaval. Ensaia o autor de Macunaíma.

Os bailes pastoris remontam à idade média,quando as representações se iniciavam na Alemanha e se estende por toda Europa.Na peninsula Ibérica documentos remonta ao século XII.No Brasil,desde o primeiro século se tem noticias da presença dos  pastoris,cujo ápice se dá pelas mãos da burguesia nordestina oitocentista.
Para gente do sudeste, o tempo de Natal é tempo das folias.Os ternos familiares(ou não)são revestidos de caráter devocional. Cantes e descantes de Rei tratam de temas como anunciação,nascimento,estrela guia,reis magos, adoração,ofertório,agradecimento e despedida. " A folia de reis se reveste de um caráter  sagrado,são os representantes dos reis magos visitando os devotos,havendo um ritual especial de visitas e referência nas casas onde há presépios," revela o folclorista Alceu Maynard.
     Brincadeira de criança:
 -De que o senhor gosta mais? de sal ou de pão?
 -De sal.
 -Então,me dê as festas de Natal
   
 -De que o senhor gosta mais? de sal ou de pão?
 -De pão.
 -Então,me dê as festas de ano bão !
 Pastores,Reis,Borboletas,Dianas,Estrelas ,bois,Jaraguás,Bergunças  e outros tantos personagens povoam as antigas e tradicionais celebrações de natal do Brasil. Que não é vermelho e não neva. No minimo azul e encarnado (as cores do pastoril). Que nossas festas voltem a ser cada vez mais coloridas.

Feliz Natal e Feliz Ano Bão!
Adeus meu menino
Adeus meu amô
Até para o ano 
Se nois vivo fô

                                                                                
       Mestra  Margarida / Guerreiro Joana D'Ark - Juazeiro do Norte-CE



GUERREIRO DE MESTRA MARGARIDA




Pergutais como se chama/É tão galante o menino/Eu me chamo rei dos peixes/Jesus cordeiro divino/Levantais Pedro alevanta/Dessa cadeira divina/ Perguntais a nossa  senhora/Se tem santo na matriz/São Pedro se alevantou-se/Procurou o santo e não via/Nossa Senhora chorava/Quando o menino saía/É tão galante o menino/Eu me chamo rei dos peixes/Jesus cordeiro divino...

                                                                                          



            POETA  ROGÉRIO MENEZES


Ele nasceu no dia 25 de junho de 1962, na cidade de Imaculada,município situado na microrregião da serra do Teixeira,no sertão Paraibano. Filho de  Pedro Menezes Sobrinho e  Maria  Madalena  Amâncio. Tudo começou na pequena  Imaculada, situada numa região de muitas cantorias e seus pais apreciadores da arte dos aedos populares,sempre iam com ele as apresentações,foi dai que surgiu o interesse pela poesia do repente. Frequentava as cantorias sempre que podia,além de seus pais,seus irmãos e amigos também gostavam e ai ele decidiu na época com vinte e dois anos começar a cantar como brincadeira para os próximos,e deu certo aos poucos foi ganhando espaço,e logo estava cantando e fazendo apresentações como profissional nos eventos da cidade e região.  O primeiro poeta a formar dupla foi Nonato Costa em seguida fez dupla com João Lourenço e depois com Raimundo Caetano,atualmente está com Hipólito Moura e Faz várias apresentações com outros cantadores.  Tem programa de Cantoria na TV Pernambuco,e o "Cantigas de Viola" ,  programa que apresenta na Rádio Jornal do Commercio  de Caruaru,cidade onde veio morar em 1990. Formou em Ciências Sociais,na Faculdade de Filosofia,Ciências e Letras de Caruaru(Fafica) e onde exerce mandato na câmara  de vereadores,pelo Partido dos Trabalhadores.  Mora há vários anos na capital do agreste pernambucano.Rogério fez algumas  viagens a França,representando seu trabalho e a cultura caruaruense,onde gravou um dos seus CDs, tem quatro  gravados,Os Menestréis da Cultura,União das Violas ,Brasil 500 anos e Cantoria na França,dois com o poeta Raimundo Caetano,participações em mais de dez coletânea. Inumeráveis os festivais de viola que esse paraibano participou, mais de 400, nordeste a fora.,sempre classificado em primeiro lugar. O poeta Rogério Menezes é vice -presidente da Academia de Cordel de Caruaru,diretor do Ciretran e presidente do diretório do Partido dos Trabalhadores de Caruaru,  diz  que começaria tudo outra vez,se preciso fosse para abraçar o oficio que escolheu,cantando errante pelos sertões.



quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

                                               Festa do Cordão de Reis




PASTORES, FESTA DO CICLO NATALINO DO MARANHÃO



 Cenas que reproduzidas lembram o nascimento do Menino Jesus,Pastor é um auto natalino do folclore Maranhense. O auto é dividido em três atos: anunciação,quando o anjo Gabriel anuncia o nascimento do menino Jesus a Maria; a romaria ,quando os pastores se reúnem,guiados pela estrela de Belém,para visitar o menino; e a adoração,momentos em que os pastores chegam a Belém para adorar o menino  que nasceu. Do auto,participam meninas da faixa etária de 7 aos 17 anos,representando os papéis dos pastores,em geral,em torno de 30. No primeiro ato a cena é protagonizada pelos personagens Maria , José e o anjo Gabriel,que anunciam a gravidez de Maria. Do segundo ato,são destaques as personagens :estrela pastor guia,pastores mestres,pastores perdidas,pastorinhas,ciganas pobre e rica,florista,portuguesas,espanholas,galegos e matutos,dentre outros. O terceiro ato reúne personagens dos atos anteriores. É quando os pastores chegam a Belém para visitar o menino Jesus,cercado por Maria,José e o anjo.Esse ato reproduz um presépio vivo. Com variação de formas e personagens,o auto natalino é representado em outros estados da federação. No Maranhão, é revivido sob a forma de pastor ou pastoral com poucas diferenças. O pastor é uma festa com fortes raízes no catolicismo popular,originada na europa e trazida para o Brasil pelos colonizadores,onde ganhou novos elementos, mesclando canto,dança e dramatização. Uma pequena orquestra,composta de clarinete,banjos,violão,viola,violino,saxofone,trombone e flauta,da o tom da brincadeira,tendo o acompanhamento de castanholas e pandeiros,tocadas pelas pastoras. Os autos natalinos são encontrados com maior freqüência nos municípios de Guimarães,Mirinzal,Alcântara,São Luiz e Humberto de Campos. Os grupos de Pastor iniciam as apresentações na noite de 24 de dezembro prolongando-se até 6 de janeiro.

domingo, 18 de dezembro de 2011

                                                   


      GUERREIRO,UM FOLGUEDO NATALINO



Auto natalino, que no estado de Sergipe carrega marcas do reisado.Sobre as origens conta uma lenda popular que uma rainha.Em um passeio acompanhada de sua criada de nome Lira e dos guardas(vassalos),conhece e apaixona-se por um índio de nome Peri. Para não ser denuciada,manda matar Lira. Mesmo assim ,o rei toma conhecimento do fato e,na luta contra o índio Peri,morre. A dança é composta de jornadas-uma sequencia de danças e cantos- que são apresentadas de acordo com os personagens de cada grupos,sendo um dos pontos culminantes  a lutade espadas,travada entre o mestre e o índio peri. Os principais personagens do guerreiro,além do mestre - que comanda as apresentações - e do índio Peri,são: o Palhaço, a Rainha,o Embaixador e os Vassalos.  Os instrumentos que acompanham o grupo são: pandeiro,triângulo,sanfona e tambor.destaca-se os trajes coloridos e ricamente enfeitados.

Luiz Gonzaga - Cafundó de Bodocó

sábado, 17 de dezembro de 2011

                                                           



                          JURANDHY DA FEIRA


Ele nasceu na cidade de Tucano, no sertão Baiano,cidade encravada numa região de águas medicinais que brotam quente da terra(Caldas do Jorro).Filho de Júlio Ferreira e Maria Isabel Gomes,Jurandir Ferreira Gomes bem cedo recebeu do pai um violão pois seu negócio era curtir e fazer músicas.Seu pai, além de admirador da cultura nordestina,era repentista. Juandir cresceu ouvindo e admirando as músicas de Luiz Gonzaga e Jackson do Pandeiro e outros nomes da música brasileira. Na adolescência mudou-se para a cidade de Feira de Santana. Com 15 anos já se destacava nos corais  escolares e nos  festivais regionais de que participou. Num desses festivais conheceu o jornalista José Malta,que mudou sua trajetória, ao apresenta-lo ao cantor e compositor  Luiz Gonzaga em Exú. Compôs então "Nos Cafundó de Bodocó" gravada por Luiz Gonzaga em 1976,no LP "Capim Novo". Por essa época, mudou-se para o Rio de Janeiro,passando a atuar na noite e em projetos culturais da cidade.Em 1982,tornou a ter música gavada por Luiz Gonzaga,no LP "Eterno Cantador" quando este gravou "Frutos da Terra". Em 1983,no LP"70 anos de sanfona e simpatia," o Rei do Baião gravou de sua autoria " Canto do povo." Em1984,foi a vez de "Terra, Vida e Esperança", ser gravada por seu Luiz no LP" Danado de Bom" que rendeu um especial de Luiz Gonzaga,na Rede Globo. Foi gravada também por Vários artistas como Trio Nordestino,Vanja  Orico e Terezinha de Jesus. O intérprete Renato Braz,ganhador do Prêmio VISA,em 2002,inclui no seu premiado disco"Outro Quilombo" uma composição de Jurandhy. Ao longo de sua carreira  gravou 1 compacto,1 LP e 3 CDs.Estreou em disco com um compacto simples produzido pelo mestre Luiz Bandeira e arranjado musicalmente  pelos craques Orlando Silveira e Sivuca. Segui-se o LP"Guerreiro" de 1985 e os CDs independentes "Frutos da Terra" - e "Universidade do Forró"  teve a participação de  Chiquinho do Acordeon. em 2000, Lançou pelo selo Eldorado o CD "Frutos da Terra" com composições de sua autoria. Finalmente em 2002, lançou o CD independente "Acústico".  Tem classificado música em festivais como o "Festival do Frevo Da Manchete" e Canta Nordeste da Rede Globo. Em 1993,acompanhado do QuintetoViolado ganhou o terceiro lugar no Canta Nordeste  com o frevo"Olinda Linda".No Rio de Janeiro,vem se apresentando em diversos teatros entre os quais, o teatro do Planetário da Gávea,Teatro Tereza Raquel, Ballroom e TeatroVillas-Lobo. Com o cantor e compositor Claúdio Nucci,dividiu o palco no projeto "Som das Ondas",na praia do Arpoador,no Rio de Janeiro.Participou dos programas de Tv "Som Brasil",na Tv Globo,Empório Brasileiro,Na Tv Bandeirantes,"É Preciso Cantar",  "Sem Censura" e outros musicais na TV Cultura e Milk Shake,na  extinta Tv Manchete. Jurandhy vem atuando também como produtor musical.Produziu para a BIT(Brasilian Incentive and Turism ) os CDs Canta Brasil,em1999 com o grupo Obará e "Todos os Cantos"- A música Trip Around Brazil,2004 com composições de sua autoria. Produziu ainda o CD " Tania" ,1999 para a cantora Tânia  Rosatto.  Viaja por todo brasil com o seu grupo Universidade do Forró  divulgando seu trabalho no gênero Nordestino.





OS SONHOS DA PASTORINHA DIANA


Com a montagem  dos italianos Válerio Festi e a coreografia de Monica Maimone, responsáveis por grandes espetáculos dentro e fora do Brasil,Os sonhos da Pastorinha Diana ,auto que  traduz a tradição nordestina do pastoril ,com adaptação das danças em músicas. O encanto e a magia do teatro de rua vão invadir Gravatá,município do vale do Ipojuca, no agreste pernambucano, durante os dias 17,18,22,23 e 25,sempre às 19:00h,no pátio de eventos daquela cidade, nas festividades de comemoração do Natal . O auto conta a história da menina pobre que nunca viu um presépio na vida e não sabia o que significava o Natal.A interação do espetáculo é atração a parte. Anjos voando,Maria e José passando pelo meio do público em "bolhas" de plástico,palcos descentralizados e balés, numa super produção.Uma programação para curtir com toda família.Além da equipe italiana, 80 gravataenses trabalham por trás do espetáculo,além da pastorinha Diana,representado por Talita Cummys,de apenas 20anos. O Evento é uma realização do Governo de Pernambuco,Empetur e Secretaria de Turismo do Estado.

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

                                                                              Luiz Gonzaga

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

                                                                                                   


CICLO NATALINO ,É TEMPO DE PASTORIL


O ciclo natalino inicia-se na véspra do Natal,24 de dezembro ,e vai até o dia de Reis,6de janeiro.A emoção do povo é revelada  nos folguedos natalinos através de sua ação dramática.Temos  vários folguedos natalinos,como o pastoril,o bumba-meu-boi,a cavalhada, a chegança,que fazem referência à Noite de Festas e ao  grande dia do nascimento do Menino Deus.Desses folguedos,o tipicamente natalino é o pastoril religioso,que tem em sua essência a temática da visitação dos pastores ao estábulo de Belém onde Jesus nasceu.  Há registros sobre o pastoril desde a idade média. Em Portugal são conhecidas as peças de Juan de Encina e Gil Vicente,baseadas em temas populares  anteriores,segundo o professor Roberto Benjamin. Como denominação popular do pastoril,temos lapinha,que desaparecera quase completamente,cedendo lugar aos pastores. Câmara Cascudo descreve que a Lapinha"era representada na série dos pequeninos autos,diante do presépio,sem intercorrência de cenas alheias ao devocionário.Os presépio foram armados em Portugal desde1391,quando as freiras do Salvador fizeram o primeiro. O presépio designa o estábulo ou  o curral,lugar onde se recolhe o gado,e representa as cena  do nascimento de Jesus em Belém.Há também uma diferença terminológica decorrente de sua  grandiosidade.ou seja,se  o era grande,rico e bonito,era chamado de Presépio; se era pobre e despojado,era uma lapinha. Mas ,o que ficou na tradição foi a queima da lapinha,no dia 6 de janeiro,Pois só por volta do século XVI,três centúrias após a criação da simbologia do presépio,teve inicio a dramatização da cena da Natividade,com contos populares ,danças e produções literárias anônimas,como registra Geninha Borges. Pereira da Costa relata que o pastoril era, a principio, a repreentação do drama hierático, o nascimento de Jesus Cristo, o presépio dos bailados e cantos próprios. Conta a lenda que São Francisco de Assis,querendo comemorar de maneira condigna o nascimentode Jesus,no ano de 1223,entendeu de fazer uma representação do maior acontecimento da Cristandade. Obteve licença do Papa e fez transportar para uma gruta um boi ,um jumento e uma  manjedora,colocando o menino Jesus sobre a palha,ladeado pelas imgens de Nossa Senhora e SãoJosé. Dentro dessa gruta,celebrou uma missa,assistida por um grande número de frades e camponeses das redondezas. Durante o sermão,pronunciou as palavras do Evangelho:"colocou-o num presépio,apareceu-lhe nos braços um menino todo iluminado,e a partir daí, a representação dos présepios tornou-se comum e espalhou-se portodo o mundo. O aparecimento do presépio em Pernambuco vem,talvez,do século VI,no Convento Franciscano em Olinda. Mário Souto Maior comenta que ,"com o passar dos anos,o presépio,que era representação estática do nascimentode Jesus Cristo,até os finsdo século VII,começou a ter a sua forma animada pelas pastorinhas cantando loas,coma participação do velho,do pedegueba". Câmara Cascudo define o pastoril como " cantos,louvações,loas,entoadas diante do presépio na noite de Natal,aguardando-se a missa da meia-noite." Representavam a visita dos pastores ao estábulo de Belém,ofertas,louvores,pedidos de benção. Os grupos que cantavam vestiam-se de pastores, e ocorria a presença de elemento praumanota de comicidade,o velho,o vilão, o saloio, o soldado ,o marujo,etc. Os pastoris foram evoluindo para os autos,pequeninas peças de sentido apologético,com enredo próprio divididos em episódios que tomava denominação quinhentista de "jornadas" e ainda mantêm no nordeste do brasil..." Nas jornadas,que eram um grande atrativo do pastoril,realça-se o estilo dramático,fazendo com que os partidários atirassem flores,lenços de seda e até chapéus.  OPastoril tem como corpo principal  grupo de pastoras,subdividido em dois cordõe(azul e encarnado). A Mestra dirige ocordão encarnado,e a contra mestra,ocordão azul. Há também o anjo,o pastor,o velho- personagem cômico,originário provavelmente do pastor - a Diana,que é a intermediária entreos dois cordões; a Borboleta,personagem faceira; a Jardineira,que canta e  dança uma jornada em  solo,referente às atividades da jardinagem; a Libertina,que é, em algumas variantes,a pastora tentada pelo demônio,o diabo,que vem tentaras pastoras;a Cigana,que representa o povo cigano que vem dizer o destino,a sorte de Jesus e que "às vezes,lê a sorte das pastoas e das pessoas da platéia,lendo a mão na tradição buena dicha para recolher o dinheiro. Trajando saias curtas  e rodadas,e corpetes ou blusas brancas,e usando um diamante enfeitado com fita,as  pastoras,com toda a  graciosidade,trazem na mão pandeirinhos ou maracás,adornados da  mesma  forma. OAnjo apresenta-se como  um  anjo de procissão,com asas de papel; a Cigana veste saia comprida e usa brancos,lenços,colares de moedas douradas;a Borboleta usa asas transprentes e antenas de papel colorido; e o pastor utiliza um cajado.Assistir a uma encenação do pastoril,que seduz e encanta,revelando de maneira maravilhosa a estonteante a beleza do CicloNatalino,traduzida nos rostos das pastoras ,é deslumbrar-se com um espetáculo único do povo  brasileiro. 

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

                                  
                                   Da direita para esquerda,Volta Seca,ainda menino,Fazenda Jaramataia-SE


VOLTA SECA, UM MENINO NO CANGAÇO 


 Ele era o décimo segundo filho de uma prole do sertão sergipano.Antonio dos  Santos,nasceu em  13 de março de 1918,na fazenda Saco Torto no município de Itabaiana.Filho de Manoel Santos agricultor ,  ficou orfão de mãe aos 9 anos de idade. Seis  meses após a morte  da mãe,seu pai arranjou uma madrasta,que honrrava a saga do nome,e destribuia  maus tratos  aos enteados.Sempre em defesa das irmãs,logo encontrou um desafeto. Depois de muitos atritos,ele resolveu sumir no mundo.Passou a viver de prestar serviços nas fazendas,vendeu doces e carregava água em animais,para se manter. Num acerto de contas com o individuo que estuprou sua irmã cometeu o primeiro homicídio,no mesmo evento,assassinou dois policiais que  andavam em sua perseguição. Aos nove anos, sozinho e com ferimentos graves,encontrou apoio em um fazenda na Bahia,onde a proprietária  uma viúva,tratou os e  ferimentos e deu guarida. Em gratidão vingou a morte do marido da patroa,assassinando um agente da pistolagem.Passou a ser perseguido pelas policia da Bahia e Sergipe.Encontrou com o bando de Lampião quando trabalhava numa fazenda,seguiu o cangaço como tratador de cavalo,e logo assumiu o lugar-tenente. No cangaço foi contemporâneo de Corisco,Zé Baiano,Labareda,Luiz Pedro,Candeeiro,Moreno,Zabelê,Moreno e outros. Combateu na batalha da Serra Grande no Sertão Pernambucano,embate considerado o mais sangento da históriado do cangaço. Evento onde as forças regulares mobilizaram 300 soldados,fortemente armados contra 68 cangaceiros,que usaram a tática de guerrilha para emboscar e derrotar os militares que tinha superioridade numérica de combatentes. O saldo da grande batalha foi 26 policiais mortos e 38 gravemente feridos. A desobediência hieráquica levou  a saída de Volta  Seca do bando de Lampião. Foi preso aos 14 anos de idade,na comunidadede Santo Antonio da Glória,no Raso da Catarina,microrregião de Paulo Afonso ,no Sertão Baiano. Na ocasião da prisão estava munido de um fuzil,com um 35 tracinhos,onde segundo informações extra oficiais,contabilizava os assassinatos cometido por ele. Volta Seca foi levado para Salvador onde foi julgado aos 16 anos,e  condenado a 145 de reclusão.Ficou detido na Casa de Detenção,penitenciária da Feira de Curtume na capital baiana de 1931 a 1953,até ser indultado pelo Presidente  Getúlio Vargas.


       


GONZAGA: DE  PAI PARA FILHO ( O FILME)



 A primeira sequência do longa metragem "Gonzaga :de pai para filho,"foi filmada na sexta-feira(9/12/11),no Marco Zero do Recife. O filme de Breno Silveira,com lançamento previsto para 2012,ano do centenário de nascimento de Luiz Gonzaga.Como no filme 2 filhos de Francisco,Breno pretende dar um recorte familiar à obra sobre Gonzaga. A produção se debruça,sobretudo,na relação entre Gonzagão e o filho,Gonzaguinha. O filme fala da biografia de Gonzagão vista pelo filho. Embora a relação  pai e filho não fosse  das mais tranquila,Breno enfatiza o interesse de Gozaguinha em se reconhecer através da história do pai.a turnê Vida de viajante,realizada no inicio dadécada de 1980,marcou um momento mais ameno da relação entre os dois. Depois da morte da mãe Odaleia ,Gonzaguinha foi criado pels padrinhos Xavier Pinheiro e Leopoldina,desde os dois anos.Luiz Gonzaga o adotou depois,mas não aceitava a escolha do filho de também se tornar músico e segundo um relato,desses que ficam famosos e aumentam graças ao boca a boca,quebrou o violão de Gonzaguinha. A escolha dos atores também foi decisiva para a construção da narrativa,depois de muitas tentativas,Brenoe a sua equipe escolheramo sanfoneiro Nivaldo Expedito de Carvalho,de 31anos,conhecido como Chambinho do acordeon,para ser Luiz Gonzaga dos 30aos 50 anos.O ator  gaúcho Júliio Andrade interpreta Gonzaguinha,enquanto Nanda Costa vai ser a dançarina e cantora  Odaleia Guedes dos Santos,mãe de Gonzaguinha. Na cena gravada no Bairro do Recife Antigo,Breno Silveira filmou um dos primeiros grandes shows de Luiz Gonzaga, na década de 1950.Para isso,o palco do Marco Zero ficou virado para o casario antigo do bairro. No entanto no filme só vai aparecer o público e Chambinho  no palco. Breno Silveira  pretende lançar o longa no final do próximo ano,possivelmente na data mais próxima do dia 13 de dezembro,quando comemoraremos o centenário de nascimento de Luiz Gonzaga do Nascimento. a equipe do filme deve voltar a Pernambuco na primeira quinzena de janeiro e segue para as filmagens em Exu,cidade natal do  Sanfoneiro.



                                       



DINIZ  VITORINO, ERA UM GÊNIO DA CANTORIA


Ele nasceu no dia  06 de maio de 1940,na comunidade de Lagoa,município de Monteiro,cidade situada na mesorregião da Borborema, no cariri ocidental do estado da Paraíba. Era de uma família de poetas, filho de Joaquim Vitorino Ferreira e  Josina  Maria Cadeira e irmão do poeta Lourinaldo Vitorino.Foi um dos grandes mestres de uma geração histórica de repentistas.  Começou a cantar aos 16 anos de idade,Diniz tinha várias composições gravadas por cantadores nordestinos,já gravou vários LP's,participou de muitos festivais,sendo classificado com o primeiro lugar em muitos,publicou vários livros,entre eles: Calor das Estradas,Terra Seca,Paraíso das Musas,Oásis Enluarado,Lirios do Campo. Escreveu cordéis e romances,entre os quais:Anchieta, O Apostolo de Brasil,Abolição do Cativeiro,Guerra dos Guararapes,Cadê a Reforma  Agrária.Diniz Vitorino escreveu belissimas canções,poema e sonetos. Era dono de uma das vozes mais fortes do repente.De uma linhagem de poetas eruditos e letrados,com um vocabulário rebuscado tanto no falar como no modo decantar de improviso,ou escrevendo seus sonetos.Foi parceiro de nomes clássicos da nossa cantoria de repente,entre eles,é impossível citar todos,estão;Oliveira de Panelas, Ivanildo Vilanova,Pinto do Monteiro,Manuel Xudu,os irmãos Batista,Geraldo Amâncio,entre tantos outros.Na manhã do dia 6 de junho de 2010,em Caruaru,no agreste pernambucano,um infarto calou para sempre o grande poeta,aos70 anos de idade,Diniz,era um dos maiores sonetistas desse país.
                                                        Dona Branca



 A DAMA DO BARRO DAS CERCANIAS DO IPU


Dona Branca como é conhecida nas redondezas,é moradora da comunidade de Alegria,no município de Ipu,cidade situada no noroeste do estado do Ceará,no sopé da Serra da Ibiapaba. O município é citado no romance de José de Alencar,Iracema,índia nativa que se banhava na bica,também conhecida como a " virgem dos lábio de mel ." Seu nome de pia é  Maria Alves de Paiva,nasceu num dia  frio do mês de julho na  serra da Ibiapaba,no ano da graça de 1941. Dona Branca começou  a fazer  louça de barro os dez anos de idade,com sua avó.apelidada de " Branca " por uma pele alva,seu inicio no oficio foi escondido,pois seu pai não queria que a filha trabalhasse.Mudaram as estações,e com o passar do tempo,seu pai passou a comercializar nas feiras livre da região o que Branca produzia. Ela já deixou o legado do barro para seus  rebentos,que se comprometem em não deixar morrer  essa arte de origem indígena.E assim,Dona Branca,com as mãos calejadas vai moldando e cumprindo o seu fado de fazer do barro objetivos vários.  

sábado, 10 de dezembro de 2011

                                      




VIDAL FRANÇA   O  MÚSICO  LITERAL


 José Calixto de Souza,ou simplesmente Vidal França.Este baiano de 65 anos, fala mansa,nascido na cidade de Aporá,tem toda uma história na música popular brasileira.Oriundo de uma família de músicos e, coincidentemente,dos nove irmãos,só ele seguiu nessa área.Ele até tentou trabalhar com algo diferente,mas desde os14 anos,viveu literalmente de música.  França chegou na terra da garôa em 1953,e foi morar com a família no parque São Lucas. O músico foi sempre autodidata,nunca precisou ir a uma escola de música para aprendera tocar.Logo aos cinco anos, ele já dedilhava o seu violão,e começava ai uma longa história,principalmente com os instrumentos de corda(violão e viola).Trabalhou como balconista numa loja de tecidos e sempre que tinha um tempo, ia ao banheiro munido de uma partituras para estudar músicas,porém demorava mais que o normal. A patroa um dia lhe disse para que não trabalhasse mais,e vivesse só de música. O conselho foi bem assimilado por Vidal. Aos 14 anos,formou o Trio Anakan,juntamente com um tio e um amigo,e assim disputou o primeiro programa de calouro de sua vida. O programa era "Cuidado com a Buzina" comandado por Silvio Santos. A partir dai,França e seu trio começaram a ser conhecidos e aos poucos foram sendo convidados para apresentações em rádios e TV.Mas sempre que sobrava tempo estudava música.Tanto que formou-se  num curso superior de música,e teve como grande mestre o maestro João Toledo.Um trabalho que marcou a vida do artista foi a participação  no teatro para a peça musical "Marta Saré" de Edu Lobo e Gianfrancesco Guarnieri. França musicou e orquestrou a peça,que contou com a reinauguração do Teatro ssão Pedro na região central de São Paulo. O trabalho contava com a participação de atores renomados,Antonio Fagundes,Fernanda Torres,Beatriz Segal,dentre outros. Foi fã dos Demônios da Garôa,fez amizade sólida com Rolando Boldrin,a quem conheceu na década de 70, quando ele ainda era ator. No cinema, o músico foi responsável pela parte musical de várias obras. Diretores como :Jorge Jonas,André Palluch,José Mojica Marins(Zé do caixão) Ozualdo Candeias, contaram com o trabalho de França.Além disso,ele musicou aulas da língua portuguesa para a TV Cultura ,textos gramaticais no projeto "Mobral " dirijido por Valter George Durst. Dai em diante,ele apresentava-se sozinho e não com o trio.Recebia diversos convites para se apresentar na noite,e começou a cativar o público,  de modo que,quando ele iria fazer a abertura de um show principal,o pessoal chegava mais cedo só para ver o show de França. Nessa época,ele já tinha  marca registrada nas suas apresentações,o chapéu de vaqueiro. Tocou com o cantor da Jovem Guarda Nilton Cézar,em Angola,Moçambique,Portugal,Canadá e EUA por aproximadamente quatro meses.No brasil,participou de vários festivais de MPB. No ano de 1979 esteve no festival da extinta TV Tupi coma música "Facho de Fogo" uma parcería com o conterrâneo João Bá. A filha Karina França já segue os passos do pai na música popular,França vive um casamento social e artístico ha 18 anos com a cantora Mazé.Juntamente com o parceiro Juliano ele compôs os hinos das cidades de Pederneira e Itanhaém. Além de  orquestrar e gravar  em disco essas obras. Ao lado de outros músicos  trabalham para o crescimento de um movimento chamado MLB-Música Literal Brasileira.É um    tipo de música que aborda o tema regional brasileiro.Música com conteúdo,nas letra e melodia,além da preocupação com o comportamento social  e ecológico do ser humano na sociedade. Desenvolveu o Projeto São Paulo Canta Brasil,no espaço Manberti de Cultura. O projeto consistia em levar músico de todo brasil para se apresentar no local.Os músicos se apresentavam uma vez por semana,e o projeto estendeu-se entre setembro 2003 e fevereiro de 2004, sempre com grande presença de público. No ano de2002, em homenagem aos 50 anos de carreira,recebeu o titulo de Cidadão Paulistano na Câmara Municipal de São Paulo.Vidal França está desenvolvendo um projeto com Sergio Bayron,que é mestre em comunicação e professor da USP e PUC. Bayron convidou França para desenvolver uma "Opereta."  O professor  será o autor das letras e melodias no trabalho,enquanto França fará as orquestrações. Um trabalho para palco e CD.

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

                             
   


      85 ANOS DA BATALHA DA SERRA GRANDE


  Em março de 1926,Virgulino Ferreira da Silva (Lampião) recebeu a patente de Capitão do Batalhão Patriótico de Juazeiro do Norte. Mesmo não a considerando legítima, o cangaceiro se tornou mais fortalecido e mais violento. Nesse ano, ocorreu uma série de atentados na região do Pajéu,com diversas mortes e sequestros,episódio que culminaram com a famosa Batalha da  Serra Grande,ocorrida em 26 de novembro,em Varzinha,distrito de Serra Talhada. O bando de Virgulino tinha sequestrado o inspetor da Standard Oil Company,Pedro Paulo Magalhães Dias.O evento ocorreu na estrada que leva a  cidade de Triunfo.Lampião pedia vinte contos de réis para liberta-lo. O resgate devería ser pago na Fazenda Varzinha.Quando o bando chegou a fazenda,foi direto à residencia de Silvino Liberalino,o qual tinha sido subdelegado de Vila Bela(serra Talhada),em1911.Logo que viu a tropa,Silvino não percebeu que estava diante  do bando de Lampião. Então saltou na calçada,com um rifle na mão,e começou o diálogo: 
- É  Lampião ou é força?
- É a força volante?
- Então podem entrar. Se fosse Lampião,ia comer bala. Os cangaceiros entraram e pediram água para beber,quando Silvino colocou a mão no pote para retirar água,os cangaceiros o seguraram e se  intificaram: - você está falando é com Lampião cabra. E o prenderam. A intenção do bando na fazenda varzinha era uma vingança  por um antigo assassinato,ocorrido no município de Floresta,cometido por José de Espiridião,que se mudara para Varzinha. O resgate foi levado por intermédio de Manuel Macário,homem de confiança de Cornélio soares ,no entanto,já na Fazenda varzinha,o portador foi flagrado pela força policial do sargento Manuel Neto.  O bando seguiu em direção à casa de José de Espiridião. Houve um grande  tiroteio.Logo após o ando colocou fogo na casa. Segundo o livro,o canto do Acauã de Mariloudes Ferraz ,na fazenda Varzinha o bando encurralou um rapaz que,sozinho,lutou até esgotar a munição. Tirburtino Estevão ainda tentou socorrer o amigo.Mas ,vendo que nada podia fazer,o homem  retornou a sua residência.
No dia seguinte,foram retirar o corpo de José de Espiridião para fazer o sepultamento e não foram encontradas  marcas de balas no corpo dele. A morte foi provocada por asfixia pela fumaça. José Pereira Lima,filho da vítima,com apenas  7 dias de nascido,foi baleado.O bando seguiu viagem rumo às ribeiras do tamboril,chegando até o Sitio dos Nunes no município de Flores,de onde voltaram. Ao chegar em Sitio Morada ,hoje município de Calumbi,Lampião estava ciente que a policia estava no seu encalço,portanto,ali mesmo,abasteceu o bando e pegou o rumo da Serra Grande. O sequestro de Pedro de Paulo Magalhães Dias e s fatos acontecidos na fazenda Varzinha foram interpretados como sendo um desrespeito às autoridades,por terem ocorridos na comarca de Vila Bela,na época, a sede do comando militar de combate  ao cangaço no interior de pernambuco.Portanto,foi preparado um destacamento com mais de 300 soldados,todos fortemente armados,muita munição. Tudo inspirava confiança e dava certeza da vitória. Lampião,que estrategicamente  com seus 68cangaceiros,subiu a serra e preparou uma emboscada.O combate durou quase um dia e a policia não conseguiu vencer a resistência o capitão Virgulino Ferreira e seus comandados. A localização dos cangaceiros era ótima e a dos soldados era extremamente precária. Arlindo Rocha recebeu um balaço no rosto que lhe fraturou o maxilar inferior,Manoel Neto foi baleado nas pernas, Luiz Careta de Triunfo faleceu com uma bala na cabeça,Euclides Flor recolocou ainda em combate as vísceras abdominais de Vicente Ferreira(Vicente Grande),tingidona altura do umbigo,o soldado Luiz José sofreu um ferimento na coxa. Pra provocar os policiais  o cangaceiro Genésio deu um aboio triste e sonoro. Os soldados se sentiram encurralados como gado. Antonio Ferreira não se conteve e se expôs  totalmente, gritando  como vaqueiro e o sargento Filadelfo Correia de Lima,lhe deu uma rajada de metralhadora. a partir de então, a policia acreditava que Antonio Ferreira tinha morrido em combate. Com a chuva de balas vindas decima da serra,os soldados ficaram desesperados. Portanto,aproveitavam a cobertura de fogo das metralhadoras para se debandar na caatinga,deixaram grande quantidade de armas,munições ,cartucheiras,cantis,bornais,etc. a Batalha da Serra Grande é considerada a mais violenta da história do cangaço. Segundo o historiador Frederico Bezerra Maciel.,morreram 26 policiais e 38 saíram feridos,no bando dos cangaceiros não houve registro de morte. Foram a Serra  Grande,verificar os fatos de perto,o Major Teófanes Torres comandante de Vila Bela, o juiz de direito Dr. Augusto Santa Cruze o promotor de Salgueiro.  Antes do regresso para Vila Bela, o tenente Higino ainda providenciou o sepultamento de sete corpos em uma única cova,no rancho de Pedro Rodrigues(proprietário Local). Tomaram parte da batalha os seguintes cangaceiros: Luiz Pedro,Maquinista,Jurema,Bom Devera,Zabelê,Colchete,Vinte e Dois,Lua Branca,Relâmpago,Pinga fogo,Sabiá,Bentevi,Chumbinho,Às de Ouro,Candeeiro,e seu irmão Vareda, Barra Nova, Serra do Mar, Rio Preto, Moreno , Euclides , Pai Velho, Mergulhão, Coqueiro , Quixadá , Cajueiro,Cocada , Beija-Flor e seu irmão Cacheado, Jatobá, Pinhão, Mormaço, Ezequiel e seu irmão Sabino , Jararaca ,Gato, Ventania , Romeiro , Tenente ,Manuel Velho , Serra Nova , Marreca , Pássaro Preto, Cicero Nogueira , Três Coco , Gaza, Emiliano ,Acuana ,Frutuoso , Felão, Bio , Cordão de Ouro , Genésio ,Ferreirinha , Lampião, e outros. No dia seguinte á Batalha de Serra Grande, Lampião, já na Fazenda Barreiros , entregou uma carta a Pedro Paulo Magalhães Dias , endereçada ao então governador de Pernambuco , Júlio Melo, propondo dividir o  estado em dois , com os seguintes limites : Governo o sertão até as pontas dos trilhos em Rio Branco (Arcoverde) , e vosmecê daí até pancada do mar no Recife .  O relato sobre a Batalha da Serra Grande encontra-se no processo criminal contra Virgulino Ferreira et al.,de 28 de novembro de 1926 , 1º Cartório de Serra Talhada PE. 
José  João de Souza-Recife-PE.
    

Alceu Valença - Diabo Louro - Frevo

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

                                                                         


ALCEU VALENÇA SERÁ  HOMENAGEADO DO CARNAVAL 2012

Justa homenagem do executivo municipal da capital da provincia ao cantor  e compositor Alceu Paiva Valença. Compositor de grandes sucessos carnavalescos o "Bicho Maluco Beleza" será uns dos homenageados do Carnaval Multicultural do Recife de 2012. Para comemorar a festa e retribuir a homenagem, o cantor vai lançar um CD com canções de frevo inéditas. Alceu ,nasceu em São Bento do Una,no agreste pernambucano. Foi na infância que começou o envolvimento de Alceu com a música,através dos cantadores e emboladores que orbitavam na feira livre de São Bento. Luiz Gonzaga e Jackson do Pandeiro,dois dos principais irradiadores da cultura musical nordestina,foram captados por ele.Em casa, a formação ficou por conta do avô,Paulo Alves Valença,que era violeiro e poeta. Aos 10 anos vai para a Veneza Americana,onde mantém contato com a cultura urbana,e ouve a música de Orlando Silva e Dalva de Oliveira,alternando com o ritmo de Ray Charles,Little Richard e outros e outros icones da chamada  primeira geração do rock'n'roll. Recém- formado em Direito no Recife ,em 1969, desiste das carreiras de  Jornalista e advogado-trabalhou como correspondente do Jornal do Brasil-e resolveu investi na música. Em 1971, vai para São Sebastião do Rio de Janeiro com o amigo e incentivador  petrolinense Geraldo Azevedo. Começa a participar de festivais universitários,como o da Extinta TV Tupi com a música Planetário. Daí  por diante  o filho de Dona Adelma Valença "deu pru mundo."
                                             


LIRINHA E SILVÉRIO  PARTICIPARAM DA 1ª FEIRA DE LIVRO E CONHECIMENTO DOS SERTÕES



                          Terminou no sábado (3/12),em Arcoverde,sertão do Ipanema,a 1ªFeira de Livro e conhecimento dos Sertões.O evento que discutiu as relações entre literatura e cultura popular foi realizado na Unidade SESC,entre os dias 1a 3 de dezembro e homenageou o centenário de Maria Bonita. Por lá passaram o pesquisador da vida de Lampião Anildomá Williams de Souza que contou alguns causos,o Grupo de Xaxado Cabras de Lampião,poeta Jorge Filó,Ésio Rafael e Edison Roberto. Lirinha que é de Arco verde e ex- vocalista da  banda Cordel do Fogo Encantado foi a principal atração,falou do seu novo CD Lira e sua relação com o conhecimento do sertão,ainda participou de mesa-redonda sobre a cultura do repente sertanejo,com vários poetas e repentistas. A feira ainda teve, durante sua programação,show com Silvério Pessoa,estandes de livros,apresentações de dança e sessões de cineclube. Educadores infantis ficaram responsáveis pelas atividades com as crianças.  

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

                                        Cangaçeiros - Folclore - Sergipe



                                              CANGACEIROS


  Em 1960,Azulão,um dos homens de Lampião,formou um grupo composto por 17 homens e 2 mulheres(representando Maria Bonita e Dadá ) vestidos de cangaceiros e, com eles saiu cantando e dançando em ritmo de forró nas ruas de Lagarto; costume vivo até os dias de hoje,revivendo as estórias e histórias do rei do cangaço cantada e decantada em prosa e verso. O grupo tem como indumentária chapéus de couro enfeitados,camisas de mangas longas com divisas nos ombros,jabiracas coloridas ou lenços no pescoço,cartucheiras e espingardas e sandálias de couro grosso.Em Sergipe,a manifestação permanece viva nos municípios de  Propriá e Lagarto.
                                                  


MESTRE ARIANO SUASSUNA FAZ TRIBUTO A CAPIBA


É intenso na capital pernambucana o ritmo de ensaios dos bailarinos ,músicos e cantores que trabalham  com o Mestre Ariano  Suassuna na Secretaria de Assessoria ao governador Eduardo Campos.Tudo por conta da nova aula-espetáculo, Tributo a Capiba,que deve estrear ainda este mês. Com direção musical do genial Zoca Madureira e coreografia de Maria Paula Costa Rego, a aula-espetáculo um evento cultural que mistura dança clássica e popular, concebida e conduzida pelo poeta,dramaturgo, romancista e defensor da cultura popular brasileira Ariano Vilar Suassuna,homenageará o compositor pernambucano da cidade de Surubim,Lourenço da Fonseca  Barbosa(Capiba) o compositor de frevo mais conhecido do brasil. A aula-espetáculo   como em outras versões,percorrerá  grande parte dos municipios de várias regiões do estado de pernambuco levando a diversidade da cultura brasileira.