domingo, 30 de setembro de 2012

                                                   



                    PINGO DE FORTALEZA


Cantor ,compositor,instrumentista,produtor,pesquisador e gestor cultural.João Wanderley Roberto Militão,conhecido como Pingo,este é o apelido que acompanha desde a infância,pelo fato do artista ter nascido prematuramente(pingo de gente). O complemento " de Fortaleza" apareceu pela primeira vez no cartaz da 3ª Missa dos Mártires de Canudos,em 1986,evento ao qual o artista foi  participar.

Pingo iniciou a carreira cantando nas manifestações do movimento secundarista e universitário do Ceará,no inicio da década de 80.Seu primeiro show individual, "Que Espetáculo é Esse " foi em dezembro de 1982, trabalhou também neste período,com teatro de bonecos e,durante algum tempo,foi professor de Educação Artística de 1º e 2º graus.
Ainda em 1986,fez a direção musical e trilha sonora da peça " O Conselheiro e Canudos",dirigida por B de  Paiva,com o ator José Dumont no papel principal. Esta peça excursionou por várias  capitais brasileiras,e Pingo de Fortaleza participou das temporadas executando a trilha sonora ao vivo. Em 1988,com arranjos e acompanhamento do grupo baiano Bendegó,gravou o LP Lendas e Contendas, trabalho inspirado no imaginário popular de Nordeste. Neste disco recitou várias lendas da região,como o Mourão,que fala da moça que virou  cobra porque assumiu um amor proibido e a do Guajara da Mata,uma assombração presente numa região do Ceará. Aborda também a Sedição de Juazeiro 1914 e a questão indígena cearense.Assim como o LP anterior,Lendas e Contendas traz um belíssimo encarte com ilustrações e textos.
Em 1991,Pingo realizou um trabalho de projeção estética do maracatu cearense,e lançou o LP Maculelê-Loas Catu Ibyá. A música tema do disco reproduz de forma fiel a pulsação e o acompanhamento de rua desta manifestação do carnaval do Ceará, e aborda Palmares em analogia com a realidade atual do Brasil.
Após o lançamento de Maculelê,Pingo realizou um trabalho de assessoria cultural no município de Icapuí,cidade que se destaca internacionalmente por sua política nas áreas de saúde e educação,tendo inclusive ,ganhou o prêmio  Criança e Paz,da Unicef. Lá,Pingo fez um mapeamento cultural no município e elaborou,em conjunto com a comunidade,um plano de ação cultural.Como fruto deste trabalho,Pingo Produziu e dirigiu o LP Icapuí por Todos os Cantos,com os compositores desta cidade,na sua grande maioria,pescadores.
No mês de maio de 1997 Pingo de Fortaleza partiu para uma turnê internacional,com início na cidade alemã de Colonia,onde fez show exclusivo no Seminário Internacional 100 anos de Canudos produzido pelo Lusófono,agregado à Universidade de Colonia e depois seguiu por outros países da Europa. Compositor com mais de 150 músicas gravadas por mais de uma dezena  de intérpretes e 18 discos autorais lançados entre 1986 a 2008.

 DISCOGRAFIA

Centauros e Canudos - 1986
Lendas e Contendas  - 1988
Maculelê-Loas Catu Ibyá - 1991
Pingo de Fortaleza  - 1993
Cantares - 1996
Pingo de Fortaleza.Instrumental (1999) CD
Lógica (1999) CD
Cancioneiro de Canudos - CD 2001
Solo Feminino CD (2002)
Mágico Entre Nós com José Mapuranga (2003)
Zoeira (2004)
21 Anos 
O Gato malhado e a Andorinha Sinhá com José Mapuranga - CD replicação inédita (2005)
Solo Feminino 2 (2006)
Maracatuará (2007)
Prata 950 (2009)
Ressonância Instrumental (2010 )

 LIVROS

Maracatu Az de Ouro - 70 anos de Memórias,Loas e Batuques (2008)





 Pingo de Fortaleza e o Maracatu Solar 









Baião de cordas por Pingo de Fortaleza e Orquestra do SESI-CE.

sábado, 29 de setembro de 2012

                                                            joao_moco




                                                  MESTRE JOÃO MOCÓ


João Evangelista dos Santos,nasceu no dia 27 de dezembro de 1931,na cidade de Granja,município situado no noroeste do estado do Ceará. Mestre João Mocó,iniciou aos 14 anos sua participação em grupo de dança de bumba-meu-boi.  Desde 1970,é o primeiro mestre do grupo reconhecido pela sua dedicação e zelo,sendo responsável,inclusive,pelo repasse e preservação desta manifestação artística  em sua região. O Bumba-meu-boi é um folguedo popular,que em algumas regiões do estado do Ceará faz parte do ciclo junino,encontrado com variantes em todo Brasil,tendo por episódio central a morte e ressurreição do Boi.

sexta-feira, 28 de setembro de 2012

                                                                                      

quinta-feira, 27 de setembro de 2012

                                                                             





                  MANÉ DO ROSÁRIO






Mané do Rosário é um folguedo popular e tradição da Vila do Poxim,um dos lugares mais antigos de Alagoas e do Brasil,antigamente chamada de Vila Real do Poxim. Surgiu no meio do século XVI. São José é o padroeiro da Vila do Poxim e ha muito tempo atrás durante o festejo de São José  surgiu um mascarado que animava a festa e ia embora,assim contam os livros,depois de seu desaparecimento a população cria Mané do Rosário,para lembrar do mascarado. O Mané do Rosário  sai tradicionalmente na festa de São José da Vila do Poxim,distrito de Coruripe,município situado no leste do estado de Alagoas e, é lá que  se apresentam,na mesma igreja do santo que data do século XVII. O folguedo tem 40 componentes,em que homens (hoje também é dançado por mulheres) dançam com longas saias,toalhas nos braços,luvas de meias,chapéus de palha e panos multicolores enrolados na cabeça, a fim de que se tornem uma especie de véu que lhes cubram a face para mão serem reconhecidos,cintos com chocalhos ao som de uma banda de pífano, fazendo acrobacias pelo trajeto que passam em homenagem ao seu padroeiro São José de  Poxim.


quarta-feira, 26 de setembro de 2012

                                     Os diretores Marcelo Gomes, do filme Era uma vez eu, Verônica e Marcelo Lordello, do filme Eles voltaram, vencedores do 45º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, na categoria melhor filme


                PERNAMBUCO FAZ A FESTA NO FESTIVAL DE BRASILIA DO CINEMA


Dois filmes pernambucanos sairam como grandes vencedores do Festival de Brasilia do Cinema Brasileiro. A trama Era Uma Vez Eu,Verônica,de Marcelo Gomes,e Eles voltam de Marcelo Lordello, dividiram o prêmio Candango de Melhor longa-metragem de ficção e receberam R$ 250 mil. Para Marcelo Gomes, o empate na disputa pelo melhor longa-metragem reforça a força do cinema pernambucano e os ingredientes que têm possibilitado os destaques que essas produções conquistaram. Era Uma Vez Eu,Veônica levou ainda o prêmio de júri popular,como melhor longa-metragem de ficção,e recebeu as premiações oficiais de melhor roteiro,melhor fotografia,melhor trilha sonora e melhor ator coadjuvante pela atuação de W.J.Solha. Era Uma Vez,Verônica também foi vencedor do Prêmio Vagalume,de cinema para cegos.
O Candango de melhor direção foi para o também pernambucano Daniel Aragão por "Boa Sorte,meu amor". Já o prêmio de melhor ator ficou com Enrique Diaz pelo filme "Noites de Reis". Outro destaque da noite de premiação foi o curta A Mão que Afaga,da paulista Gabriela Amaral Almeida.Gabriela subiu ao palco da  Sala Villa-Lobos por seis vezes.Gabriela é estreante ,mo Festival de Brasilia do Cinema Brasileiro.

Confira a lista completa dos vencedores

Longa metragem de ficção:
Melhor filme: "Eles voltam" e "Era uma vez eu, Verônica"
Melhor direção: Daniel Aragão pelo filme "Boa sorte, meu amor"
Melhor ator: Henrique Diaz pelo filme "Noites de Reis"
Melhor atriz: Maria Luiza Tavares pelo filme "Eles voltam"
Melhor ator coadjuvante: W. J. Solha pelo filme "Era uma vez eu, Verônica"
Melhor atriz coadjuvante: Elayne Moura pelo filme "Eles voltam"
Melhor roteiro: Marcelo Gomes pelo filme "Era uma vez eu, Verônica"
Melhor fotografia: "Era uma vez eu, Verônica"
Melhor direção de arte: "Esse amor que nos consome"
Melhor trilha sonora: "Era uma vez eu, Verônica"
Melhor som: "Boa sorte, meu amor"
Melhor montagem: "Esse amor que nos consome"
Melhor filme eleito pelo júri popular: "Era uma vez eu, Verônica"
Prêmio da crítica para melhor longa-metragem: "Eles voltam"


Curta metragem de ficção:
Melhor filme: "Vestido de Laerte" de Claudia Priscilla e Pedro Marques
Melhor direção: Eduardo Morotó, Marcelo Martins Santiago e Renan Brandão pelo filme "Eu nunca deveria ter voltado"
Melhor ator: Everaldo Pontes pelo filme "Eu nunca deveria ter voltado"
Melhor atriz: Luciana Paes pelo filme "A mão que afaga"
Melhor roteiro: " A mão que afaga"
Melhor fotografia: "Canção para minha irmã"
Melhor direção de arte: "Vestido de Laerte"
Melhor trilha sonora: "Eu nunca deveria ter voltado"
Melhor som: "Eu nunca deveria ter voltado"
Melhor montagem: "A mão que afaga"
Melhor curta eleito pelo júri popular: "A mão que afaga"
Prêmio da crítica para melhor curta-metragem: "A mão que afaga"


Melhor filme de curta metragem de animação: "Valquíria" de Luiz Henrique Marques
Melhor curta de animação eleito pelo júri popular: "O gigante" de Luís da Matta Almeida



terça-feira, 25 de setembro de 2012

                                   





                  BANDA DE CONGO MIRIM DA ILHA



Por volta do ano de 1855,segundo relato de Pe. Antunes Siqueira,surgiram as primeiras bandas de congo.Banda de Congos é um conjunto musical típico das regiões litorâneas do estado do Espirito Santo,a Banda de Congo toca e canta principalmente em festas religiosas,como as de Nossa Senhora da Penha,São Pedro,São Benedito e São Sebastião.
 São grupos compostos por pessoas simples,que utilizam instrumentos rudes confeccionados por eles mesmo com pau oco,taquaras,barricas,peles de animais,folhas de flandres,peles de animais e  ferro torcido.Tambores,chocalhos ,caixas ,cuícas,pandeiros,casacas e triângulos. Ao som desses instrumentos,homens cantam velhas e tradicionais toadas,em que há referências à escravidão,à guerra do Paraguai,aos santos de devoção popular,ao amor,à morte e ao mar.
São toadas marcadas pelo alongamento das vogais finais no fecho dos versos,o que confere um certo ar melancólico entre as batidas de percussão.
 Grupo do tradicional do folclore capixaba,as bandas de congo  aparecem registradas em documentos antigos.


                                                                                       

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

                                  


    ERIVALDO  FERREIRA,XILOGRAVURADOR


Ele Nasceu em Cascadura,na cidade do Rio de Janeiro,em 17 de maio de 1965.Filho do poeta popular Expedito Ferreira da Silva e Maria Bernadete da Silva,Começou a fazer xilogravura aos 13 anos de idade,por incentivo do pai,que muito insistiu.Dois anos depois,conheceu Marcelo Soares,que deu as primeiras instruções. A seguir,começou a frequentar a feira de São Cristovão,reduto de nordestinos,ao lado do pai,e conheceu Ciro Fernandes,que o instruiu  e ajudou muito.Um ano depois,através de Ciro Fernandes,ganhou uma bolsa de estudo e fez o curso de artes plásticas do Museu de Artes Moderna(MAM), e aprimorou com a professora Sandra Santos. Uma das figuras mais representativas da xilogravura brasileira,Erivaldo Ferreira da Silva já ilustrou mais de uma centena de livros e folhetos de cordel.




                                             


                                      EXPEDITO  SELEIRO


Tudo começou por causa de uma tradição, um costume, como se diz no sertão. Seu bisavô, seu avô e seu pai eram todos seleiros, além de vaqueiros. Quando terminava o dia no campo atrás do gado, seu avô acendia uma lamparina e naquela luz leve fazia uma sela para ele próprio ou para alguém que encomendava. Espedito Seleiro lembra que isso era motivo de orgulho. “Ele gostava muito quando saía numa sela nova para pegar o gado”, afirma.Esse costume foi passando e chegou ao jovem Espedito. Mas aconteceu um contratempo. No início da jornada de seleiro achou que seria melhor comerciante. Montou uma bodega que faliu em um ano. Resultado: voltou para a profissão de seus ancestrais.Como seleiro manteve sua vida, sustentou a família e ajudou a criar os irmãos todos mais novos. O pai faleceu em 1971. Hoje produz mais sandálias e bolsas, que tem maior apelo comercial, mas sua tradição ainda é forte. Faz muitas selas e roupas para vaqueiros, mantendo a mesma qualidade do corte e no trabalho.Ele tem na professora Violeta Arraes, já falecida, ex-reitora da Universidade Regional do Cariri (Urca) uma grande amiga. “Foi ela que me deixou muito conhecido, pois ela trouxe muita gente importante, muitos artistas aqui, comprava e ainda brigava comigo dizendo que eu tinha que me organizar mais”.Por causa dessa divulgação, Espedito Seleiro se tornou conhecido. Esteve na São Paulo Fashion Week e participa hoje de feiras no Ceará e em outros estados.Para produzir um segredo: o silêncio que seu avô tinha com a lamparina acessa, ele acha melhor para trabalhar. “Quando eu trabalho aqui de noite num tem ninguém me aperreando, pedindo água, ninguém para me entrevistar, ninguém perturbando”, diz sorrindo.No silêncio da noite produz mais. ”E muito bom porque a gente trabalha sossegado, produzimos várias peças e entregamos tudo como combinado, pois aqui temos muito trabalho”.Seu Espedito tem sua oficina e ao lado uma lojinha arrumada dentro do possível. Com vários produtos, como bolsas, sandálias, selas, baús, cadeiras e outras peças em couro.A loja é movimentada e acolhe todos os dias pessoas de várias cidades do Cariri e de outros estados. Como Nova Olinda é uma cidade sempre com muito movimento, seu Espedito é endereço certo para quem quer comprar uma boa sandália, uma bolsa de couro, para si próprio ou para presentear.O menino que aprendeu cedo a arte de fazer sela, encanta agora o Cariri, o Ceará e o mundo com uma arte que poucos sabem fazer.


sábado, 22 de setembro de 2012

Som Brasil - Fábio Paes

                                                                     


                                                                   


                          FÁBIO PAES


José Fábio Paes Cardoso,este é o nome de pia do cantador ,poeta popular,historiador  e professor da Universidade Federal da Bahia.Fábio Paes nasceu no dia 9 de dezembro de 1951, na cidade de Serrinha,município encravado no nordeste da Bahia.Fábio é pesquisador da música tradicional da cantoria sertaneja.Foi parceiro do saudoso cantor Raimundo Monte Santo,tem parceria em composição com o conterrâneo Vicente Barreto.Um dos grandes sucessos de Fábio Paes a nível nacional ,é o " ABC do Preguiçoso",interpretada pelo cantador Eugênio Avelino(Xangai).Nos  anos 80 participou ativamente de um movimento regional de cultura,quase uma confraría de violeiros que integravam os "Cantadores da temática de Canudos",o conselheirismo foi contado e cantado pelo historiador e cantador de Serrinha; ao lado de Roze,Wilson Aragão,Dercio Marques,Pingo de Fortaleza,Dinho Oliveira,Gildemar Senna,Marcos Canudos,Claúdio Barris de Uauá,Gereba entre outros guerreiros e guerreiras do Bom Jesus Sertanejo, Fábio Paes tem 3 LPs: Pensando na Alegria(1984),Corisco da meia Lua(1986) e  América Neblina(1992)  e 2 CDs: A música de Fábio Paes(1991) e Canudos Canto do Sertão(1992).


      


sexta-feira, 21 de setembro de 2012


quinta-feira, 20 de setembro de 2012

                                                       


       MANOEL PAU-FERRO ,O CANGACEIRO "CAPADOR"


Conhecido na vida do cangaço pelo vulgo de "Atividade",Manoel Pau-Ferro, nasceu na cidade  de Pão de Açúcar,município situado às margens do rio São Francisco,no Sertão Alagoano.Outros integrantes da família já  militavam nas fileiras do cangaço,quando ele entrou naquela vida a exemplo do irmão,o cangaceiro "Velocidade". Manoel Pau-ferro(Atividade),inicialmente,percorreu os sertões nordestino no bando do "diabo Louro" (Corisco),posteriormente,com a criação de subgrupos passou a integrar o bando do cangaceiro José Lino de Souza "Pancada",que passou a ser ser líder.
O distinto,tinha uma grande habilidade na castração de pessoas,que o fazia,com a maior eficiência e naturalidade,perdeu as contas das vítimas do seu oficio. O cangaceiro "Atividade ,foi assassinado no dia 5 de julho de 1938" pelo,também cangaceiro "Barreira",que influenciado pela promessa de anistia abandonou o cangaço e aliou-se as forças das volantes,e, como prova de submissão e para conseguir redução de pena entrega as autoridades a cabeça do seu companheiro,fato ocorrido na região de Caboclo,município de Pão de Açúcar. O gesto do cangaceiro " Barreira",foi como se,uma vez perdido seu estatuto e até mesmo sua identidade de cangaceiro,se arrogasse o direito de praticar as mesmas atrocidades dos seus algozes.Talvez ,uma condição exigida pelas Forças Volantes para intimidar e desarticular seus ex inimigos  que acabara de depor as armas.Como se não bastasse,"Barreira" teve que posar para fotografia vestido de cangaceiro ao lado da cabeça de sua vitima amarrada pelos cabelos a uma cerca.Aqui prá nós,o cangaceiro "Barreira" escapou fedendo da ação impiedosa do oficio   de Manoel Pau-ferro.



A lata d agua - Jessier Quirino

terça-feira, 18 de setembro de 2012

                                                   


                                                       TIAGO  AMORIM


Sebastião Wilson Ferreira de Amorim,o Tiago Amorim,é um pintor,ceramista,desenhista,escultor,gravador e pesquisador pernambucano.Ele nasceu na cidade de Limoeiro,no agreste de pernambuco,no dia 9 de janeiro de 1943,mas desde muitos anos mora em Olinda.Com mais de 30 anos de vivencia cotidiana com artes,já fez  experiências com diferentes tipos e texturas de barro,tendo trabalhado em vários locais do estado de pernambuco,incluindo Tracunhaém, cidade que tem longa tradição de abrigar ceramistas. A obra de Tiago permanece fiel ao seu estilo,que mistura elementos da arte popular,em figuras retiradas da natureza,adicionando a elas formas elegantes e sóbrias. Seu universo é inválido por pássaros,peixes e mulheres moldados no barro,queimando crus ou esmaltados. Tiago Amorim é um dos herdeiros da pujança cultura de Pernambuco,mas não se prende fixamente a nenhum dos estilos mais conhecidos,passeando por vários deles para construir seu próprio traçado.Assim,embora flerte com a arte popular,com a erudição de Francisco Brennand e até com a história de influência da arquitetura portuguesa em Pernambuco,o artista sente-se livre para combinar esses elementos no seu repertório. Numa entrevista ao Jornal do Commercio,Tiago Amorim revelou que sua fase atual,mais que a pintura e a escultura,está na criação a partir da modelagem da argila.Conhecimento que aprimora desde os tempos de menino e suas passagens por cursos inacabados até a chegada em Tracunhaém entre os anos de 1959 e 1960. O encontro definiu seu caminho e a busca por uma identidade própria,até hoje defendida,sobretudo quando para combater a pirataria sobre sua própria criação,constantemente copiada. Tiago Amorim é bastante conhecido nacional e internacionalmente e participou de diversas exposições,tanto no Brasil como no exterior,que lhe renderam vários prêmios. À terças,quintas e sábados,o artista ministra oficinas de arte e cultura para crianças carentes e nestes dias seu ateliê é aberto ao público para visita,tendo se tornado uma das principais referências da arte da histórica cidade de Olinda.



Arte Popular do Brasil

       

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

                                     


                           POETA JOSÉ CAMELO DE MELO RESENDE



Os pesquisadores Átila de Almeida e José Alves Sobrinho,em sua obra Marcos e Vantagens,de 1982,assinalam que José Camelo de Melo Resende nasceu a 20 de abril de 1885,em Pilõezinhos,na época distrito de Guarabira,Paraiba. Poeta fecundo,de fértil imaginação,bom de métrica,rima e oração,compôs verdadeiros clássicos da literatura de cordel.Pertencente a segunda geração dos grandes poetas populares nordestinos,ao lado de João José da Silva,Manoel Camilo dos Santos e Severino Borges.
Sua obra mais famosa,"Romance do pavão mysterioso",tem uma história controversa.Segundo os pesquisadores,esse folheto foi escrito originalmente com 40 páginas,em 1932 para ser cantado em suas apresentações.João Melchiades Ferreira,ajudado por Romano Elias da Paz,obteve uma cópia do mesmo e o reescreveu com 32 páginas,publicando como obra de sua autoria.Consta que José Camelo,desgostoso com o sucesso obtido por Melchiades,findou destruindo os originais.O poeta José Camelo de Melo,faleceu na cidade de Rio Tinto,município situado na zona da mata da Paraiba,em 1964.O poeta paraibano faz parte do quadro acadêmico dos grandes cordelista da Academia Brasileira de Literatura de Cordel.


                                
                


           BOI  FLOR  DO  CAMPO


Mocambo é uma comunidade quilombola  perdida na imensidão da floresta amazônica,próxima a sede do município de Ourém,e é lá que tem o Boi  Flor do Campo,o mais antigo em atividade da região  nordeste do estado do Pará. O brincante Sebastião dos Santos"Bofiá",um remanescente de escravo, falecido em 1961,foi o fundador do folguedo. Com a morte do  patriarca da família Santos da comunidade de  Mocambo,Julião dos Santos,filho de Bonfiá,assumiu o legado do brinquedo em 1964 e até hoje mantém a tradição. O Boi Flor do Campo foi vencedor de diversos concursos de Boi-Bumbá realizados no estado do Pará. O grupo comandado pelo Mestre Julião teve várias denominações,como "Mimo Dourado" ,"Ás de Ouro" ,"Flor da Mocidade", "Flor da Fazenda" e "Mimo do Gado". O nome "Flor do Campo" está registrado há quatro anos.Em 2006,entre os meses de abril e junho,o grupo participou da gravação do primeiro volume de uma coletânea  de discos de toadas,"Bois de Ourém".Em 2011,o Mestre Julião partiu e juntou-se  a seu pai Sebastião Santos (Bofiá) o fundador do grupo e levou para a eternidade o folguedo do Boi de Ourém.
  

domingo, 16 de setembro de 2012


sábado, 15 de setembro de 2012

                                                



             MORREU ARLINDO GRANDE



Faleceu na madrugada do dia 11 de setembro de 2012, Arlindo Grande um dos  coiteiros de Virgulino Ferreira da Silva,Lampião.Ele  
residia no povoado Várzea, entrada do Raso da Catarina e foi nessa localidade que ele conheceu Lampião e seu grupo, era um menino de 7 anos deparou-se com Lampião,  na estrada.  Este lhe pediu que subisse no lombo do seu cavalo e o levasse até sua casa. Lá o rei do cangaço conheceu seu Avô João da Varje e seus pais Quinca e Aristéia e apartir deste encontro a sua residência passou a servi de coito e era sempre um dos lugares preferido pelos cangaceiros para realizarem os famosos bailes. Ele  foi casado com dona Nina,irmã do cangaceiro "Bananeira".Em toda região ele foi o maior vaqueiro de todos os tempos,na região do Raso da Catarina. Em sua luta com o gado  nunca deixou de trazer os animais perdidos dentro do Raso da Catarina,era exímio cavaleiro e entre as caatingas manejava com maestria suas montarias.








quinta-feira, 13 de setembro de 2012

                                       
              

                            MESTRE  APOLÔNIO

Mestre Apolônio começou a brincar em grupos de bumba-meu-boi ainda criança,na baixada ocidental maranhense,mais precisamente no povoado de Teles,localizado nos limites do município de São João Batista.
Em 1946 fundou em São Luis,o Boi de Viana,no qual permaneceu até 1959.No ano seguinte,ao lado de Lucilio ,Coxinho,Cobrinha e Domingos Melônio,entre outros,criou o Boi de Pindaré,que deu origem a alguns. 


dos mais importantes grupos de sotaques da baixada.Com o Boi da Floresta,mestre Apolônio já se apresentou em São Paulo,Rio de Janeiro,Pernambuco,Piaui,Belo Horizonte(com o boi no Festival Internacional de Teatro),Brasilia(em 1973 na inauguração do Ginásio Presidente Médice) e Alagoas. Em 1994,o grupo esteve na cidade de Charleville,na França. O mestre lembra com precisão todas as viagens que realizou.





































quarta-feira, 12 de setembro de 2012


sábado, 8 de setembro de 2012

                                                                                 Sedição de Juazeiro.




                   SEDIÇÃO DE JUAZEIRO

               FINAL

     


As forças regulares do governador  Franco Rabelo,desembarcaram no Vale do Cariri Cearense e na cidade de Juazeiro do Norte se depararam com uma situação inusitada: em apenas uma semana,os romeiros cavaram um valado de nove quilômetros de extensão cercando toda a cidade e ergueram uma muralha de pedra na colina do horto.A fortificação recebeu o nome de "Circulo da Mãe de Deus". O batalhão ao ver que seria impossível romper o circulo,recuou e pediu reforços.
As forças estaduais retornaram à cidade do Crato e pediram reforço para destruir o circulo. Franco Rabelo enviou mais soldados e um canhão para invadir Juazeiro.No entanto, o canhão falhou e as forças rebelístas foram facilmente derrotadas pelos revoltosos.
Após expulsar os invasores,Floro Bartolomeu parte para o Rio de Janeiro afim de conseguir aliados.Os revoltosos seguem para Fortaleza com o objetivo de derrubar o governador.
Na capital  federal, Floro Bartolomeu consegue apoio do senador Pinheiro Machado.Quando as forças Juazeirense chegam a Fortaleza,uma esquadrilha da Marinha impôs um bloqueio marítimo na orla da capital cearense.Cercado,Franco Rabelo não teve como reagir e foi deposto.
Hermes da Fonseca nomeia interinamente Fernando Setembrino de Carvalho,enquanto novas eleições foram convocadas.Benjamim Liberato Barroso foi eleito governador e Padre Cicero vice novamente.
A condição de miséria das populações do sertão nordestino favorece sua subordinação a lideres religiosos,demagogos e fanáticos,como em Canudos(Antonio Conselheiro),Serra do Rodeador(Beato Silvestre José dos Santos-mestre Quiou),Caldeirão dos Jesuítas(Beato José Lourenço),Pedra do Reino(João Antonio) que de tempos em tempos surgiam na região.
Sob a influência do admirável e carismático "Padim Ciço",os sertanejos cearense participaram da Revolta de Juazeiro por acreditarem que estavam cumprindo uma missão profética e lutando numa guerra santa.Porém,com o retorno da família Acioly ao governo do Ceará,o grande beneficiado foi ,de fato,a mais influente oligarquia da primeira república,o senador Pinheiro Machado.Na memória e tradição popular do povo sertanejo,porém,o padre  Cicero é até os dias de hoje venerado como santo  e profeta.     

sexta-feira, 7 de setembro de 2012

SEDIÇÃO DE JUAZEIRO - Trailer Oficial

                                   
                                                        Floro Bartolomeu e Padre Cicero




                                  SEDIÇÃO DE JUAZEIRO

                              PARTE 1



No ano de 1914,o sertão nordestino foi novamente abalado por uma grande revolta popular de caráter religioso,ocorrida na cidade de Juazeiro do Norte,no interior do Ceará.Um grande confronto entre o governo de Hermes da Fonseca e as oligarquias do estado do Ceará,o evento ficou conhecido como a  Revolta ou Sedição  do Juazeiro,nas primeiras décadas do século XX ,ocasionado pela interferência do poder central  na politica daquele estado.Ao contrário do que ocorreu em Canudos,onde a população sertaneja lutou em defesa da posse da terra e de sua comunidade contra os interesses de coronéis locais,os sertanejos de Juazeiro pegaram em armas para derrubar do poder o governador do estado do Ceará.O povo de Juazeiro,porém,lutou em defesa de uma causa que não era sua,pois a revolta popular foi preparada pelos coronéis da região com ora entender as causas da sedição de Juazeiro,é preciso levar em consideração a luta entre as oligarquias pela conquista do poder politico.Em 1910,os estados de Minas Gerais e São Paulo romperam com a politica do "Café -com- leite" porque não chegaram a um acordo sobre a sucessão presidencial.As oligarquias da Bahia uniram-se às de São Paulo,e juntas apresentaram a candidatura do baiano Rui Barbosa.Minas Gerais,por sua vez,se uniu ao Rio Grande do Sul e lançou como candidato  o Marechal Hermes da Fonseca,que venceu as eleições.Ao assumir a presidência,Hermes da Fonseca procurou alterar a correlação de poder das forças politicas,beneficiando as pequenas oligarquias em detrimento das tradicionais.Foi com esse objetivo,que o presidente colocou em prática o que ficou conhecido como "politica Salvacionista." Consistia  basicamente em intervenções de tropas federais nos estados,para substituir do poder uma oligarquia por outra.O governo federal justificava as intervenções como meio mais eficaz de acabar com a corrupção e depurar as instituições republicanas.  Após a revolta,Padre Cicero sofreu retaliações politicas e foi excomungado pela igreja católica,no final da década de 1920. Entretanto, permaneceu como eminência parda da politica do ceará por mais de uma década e não perdeu sua influência sobre a população pobre,que passou a venerá-lo como  o santo dos sertanejos. Juazeiro do Norte,virou a meca dos sertanejos,onde foi erguido um gigantesco monumento em sua homenagem e que atrai,todos os anos ,multidões de peregrinos. O Marechal Hermes da Fonseca decidiu intervir no estado do Ceará com objetivo de neutralizar o poder das oligarquias mais poderosas da região,que estavam sob controle do senador gaúcho José Gomes Pinheiro Machado,um politico com muita influência sobre os coronéis do Norte e Nordeste brasileiro.
Eleito intendente(prefeito) de Juazeiro em 1911,padre Cicero envolveu-se na disputa com o presidente Hermes da Fonseca para manter no poder regional a família Acioly.Em 1912,a intervenção federal no Ceará derrubou do poder a família Acioly,sendo nomeado interventor o coronel Marcos Franco Rabelo,havendo eleições apenas para o cargo de vice-governador,na qual padre Cicero Romão Batista foi eleito,acumulando também o cargo de intendente de Juazeiro do Norte.
Naquela época,o padre Cicero já era conhecido no sertão nordestino por ser considerado um homem santo e "fazedor de milagres." Chamavam-no de "Padim Ciço."
Em 1914, o então interventor(governador),o coronal Marcos Franco Rabelo rompeu com o Partido Republicano Conservador(PRC),e iniciou uma perseguição a Padre Cicero,destituindo-o dos cargos que exercia e ordenando a prisão do sacerdote. O deputado federal Floro Bartolomeu,aliado de Pinheiro Machado,armou os sertanejos e montou um batalhão para defender Padre Cicero,seu amigo pessoal.O grupo era formado por jagunços e romeiros,era a união da força de Floro com o carisma de Cicero.





quinta-feira, 6 de setembro de 2012


                                             


                                   RODA DE SÃO BENEDITO


No estado de Piaui,a Roda de São Benedito é uma tradição de caráter religioso que acontece depois dos leilões  e das rezas.A roda é organizada com coreografias simples constituídas por ritmos e volteios bem marcados.Não é tão difundida como a roda de São Gonçalo,porém a ela está relacionada,pois,sempre que se faz a roda de São Gonçalo,faz-se também uma de São Benedito.

Na RODA DE SÃO BENEDITO são formadas,duas fileiras em frente ao altar,uma de homens e a outra de mulheres,que fazem evolução com coreografias pré-determinadas ou improvisadas.
A  RODA DE SÃO BENEDITO não tem nada em comum com os festejos do santo,comemorada no dia 6 de outubro.Tanto a roda de SÃO BENEDITO como a de SÃO GONÇALO são uma forma de agradecer aos santos por uma promessa válida.SÃO BENEDITO é dito como padroeiro dos pretos.
SÃO GONÇALO,é o padroeiro de Amarante,Regeneração e Batalha. É festejado no dia 1 de janeiro com a dança do pagode e com as RODAS DE SÃO GONÇALO,principalmente.A RODA DE SÃO GONÇALO,mesmo estando em extinção em algumas localidades,é dançada em várias regiões do Piaui,em especial no interior.SÃO GONÇALO é um Santo Violeiro,de caráter litúrgico-religioso,e é da ordem
 dos frades beneditinos.Por ser um dos mais populares no interior do Estado ,é muito querido pelas moças solteiras que estão à procura de um marido.Dizem que este santo era muito cuidadoso em promover casamento,daí a fervorosa devoção das solteiras com o santo milagreiro.Primeiro é feito o leilão,com joias doadas pela comunidade,e só depois se faz duas fileiras,uma de homens e a outra de mulheres,se posição em frente ao altar,movimentando-se ora em forma de circulo,ora em forma de cruzeiro e, sempre reverenciando e beijando o santo.Esta manifestação é feita quando uma promessa pedida por um devoto ou não do santo é valida e este oferece jornadas ao santo.Esta manifestação é feita quando uma promessa pedida por um devoto ou não do santo é válida e este oferece jornadas ao santo,que variam de doze a quinze.O devoto assiste a todas as jornadas sentado com o santo sobre a cabeça ou,às vezes,dança todas as jornadas sem descanso. O aro do altar é todo enfeitado com frutas,flores,bolos,ramos e velas,além do santo. Quando termina todo ritual,pessoas que assistiam ou mesmo que dançam,ajudam a retirar todos os enfeites do altar,oferecendo-os a um outro leilão,aproveitando assim para fazer um pedido ao santo.Geralmente o dono(a)arremata os bolos e oferece a todos com chá,café e suco.